terça-feira, 18 de abril de 2017

Cruzamento da Lista de Furnas e Lava Jato frita Aécio e Bolsonaro

bolsonaro_edFerreiraAE
(Foto: Debate Progressista)

 

Aécio Neves, Eduardo Cunha, Jair Bolsonaro, José Serra e Geraldo Alckmin, entre outros, constam nas denúncias que constam em processo da Lista de Furnas reaberto no STF

 
 
Reaberto no Supremo Tribunal Federal (STF) após o pedido de investigação da Procuradoria Geral da República (PGR), o julgamento do escândalo conhecido como ‘Lista de Furnas’ coloca entre os investigados os principais líderes tucanos. Mas expõe, pela primeira vez no âmbito das denúncias de corrupção, o deputado Jair Messias Bolsonaro (PP-RJ). Ele e o presidiário Eduardo Cunha (PMDB-RJ) estão citados no documento. O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, também é citado no escândalo.

Aécio Neves


Promotoria acusa governo de maquiagem nas contas estaduais entre os anos de 2003 e 2010, durante a gestão de Aécio Neves

A ‘Lista de Furnas’ trata-se de uma prova, assim considerada segundo laudo do Instituto Nacional de Criminalística da Polícia Federal, do esquema de propina montado junto às empresas do setor elétrico brasileiro. Vazada para o jornalista mineiro Marco Aurélio Flores Carone, a matéria foi publicada no site de notícias novojornal.com, hoje reduzido a uma sombra do que era, no ano 2000.

Após a publicação da denúncia contra os políticos citados, Carone foi preso por nove meses, em Minas Gerais. Posteriormente, a Justiça o absolveu, após um calvário de sofrimento na prisão. Ao sair do presídio mineiro, Carone decidiu contar à Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados quais eram as denúncias que ele pretendia fazer contra o senador Aécio Neves (PSDB). Segundo Carone, o hoje presidente nacional do PSDB e senador da República liderava o esquema de corrupção no segmento que engloba as elétricas Cemig, de Minas Gerais, e Furnas, do sistema Eletrobras. O depoimento foi suspenso no último minuto.

 

Pressão ilegal



Carone foi preso a mando da juíza Maria Isabel Fleck, da 1ª Vara Criminal da capital mineira, após denunciado pelo Ministério Público Estadual (MPE-MG) por formação de quadrilha, falsificação de documentos públicos e particulares, falsidade ideológica, uso de documento falso, denunciação caluniosa majorada e fraude processual majorada. Todas as acusações caíram, após sua absolvição. Mas a denúncia e posterior prisão serviram ao objetivo de massacrar o denunciante e, fundamentalmente, ganhar um tempo precioso para os envolvidos.

Os promotores, à época, basearam suas denúncias nos contatos entre o jornalista e o lobista Nilton Monteiro. Ele disse depois, publicamente, que decidiu tornar pública a Lista de Furnas após ter colaborado com suposto esquema de desvio de dinheiro da estatal. A juíza, por sua vez, entendeu que ambos faziam parte de uma quadrilha, cujo objetivo seria “difamar, caluniar e intimidar” adversários políticos. O político aí, no caso, era o recém-eleito governador de Minas Gerais, Aécio Neves. A magistrada autorizou a prisão preventiva do jornalista para impedir novas publicações. Disse, ainda, que o NovoJornal seria financiado com dinheiro de origem ilegal. Acreditou que o site não contava com anunciantes suficientes para mantê-lo.

 

Aécio citado



Carone, amparado pelo bloco parlamentar Minas Sem Censura, que reunia deputados estaduais do PT, PMDB e PRB, negou as acusações. Ele denunciou perseguição política e investida dos aliados do senador Aécio Neves (PSDB) para calar o NovoJornal. Na época, o deputado estadual Rogério Correia (PT) denunciou pressões para calar a denúncia repetida, agora, nos depoimentos do megaempreiteiro Marcelo Odebrecht. Com as novas denúncias, Aécio Neves termina citado em cinco processos diferentes no STF, com a Lista de Furnas em primeiro lugar.

O NovoJornal chegou a acusar a irmã de Aécio. Andrea Neves é jornalista e integrou a direção da campanha a presidente do tucano, em 2014. Ela teria procurado anunciantes do site de notícias, à época, para intimidá-los. Queria para que parassem de investir no “jornaleco da oposição”, segundo descreve Carone. O senador Aécio Neves foi procurado, na época, pela reportagem do Correio do Brasil, por meio do diretório nacional do PSDB, para comentar o caso, mas ele optou por não dar declarações.

 

Marcos Valério



A Lista de Furnas é um documento que revela as quantias pagas a políticos de PSDB, PFL (hoje DEM) e PTB em um esquema de desvio de verbas intermediado pelo publicitário Marcos Valério, em 2000. Trata-se do embrião do esquema que vigorou durante certo período no governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e deu origem à Ação Penal 470 e culminou no julgamento conhecido como ‘mensalão’.

O objetivo, então, era abastecer o caixa dois de campanha desses partidos nas eleições de 2002. O caso que ficou conhecido como “mensalão tucano”. Envolve as mesmas personagens e operações envolvendo denúncias contra o PT, em 2005. O PSDB nega a existência do esquema, que pode ter movimentado mais de R$ 40 milhões. Também nega, até hoje, a autenticidade do documento, embora a Polícia Federal tenha comprovado, em perícia, que a lista conta com a caligrafia de Dimas Toledo. Tratava-se do então presidente da estatal de energia. Reaberto no STF, após as declarações de Odebrecht, o rito legal será ditado pela Presidência da Corte. No julgamento contra o PT, realizado entre 2012 e 2013, houve a condenação de 36 pessoas.

 

Assassinato


Uma entrevista do ex-advogado de Nilton Monteiro, Dino Miraglia, foi realizada em agosto do ano passado e divulgada pelo Youtube. A versão original foi retirada do ar, por ordem judicial, mas uma versão permanecia, até o fechamento dessa matéria:


No vídeo original, ele afirmou que o caso de Furnas envolveria até o assassinato da modelo Cristiana Aparecida Ferreira. O fato ocorreu em agosto de 2000. Segundo denunciou, Cristiana servia como garota de programa para os integrantes do esquema. Era, ainda, responsável por transportar o dinheiro desviado da estatal em malas, segundo o denunciante. O suposto assassinato, registrado como suicídio até a revelação de sinais de asfixiamento da modelo, seria queima de arquivo. Ela queria abandonar a quadrilha.


Miraglia desistiu da defesa do lobista Monteiro após ter a casa invadida por policiais militares. A força policial ostentava um mandato para procurar um documento falso. Mas teriam aproveitado a oportunidade para ameaçar sua vida. O motivo teria sido o pedido do advogado para enviar a Lista de Furnas ao STF. 





Fonte: Correio Brasiliense


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget

Arquivo do blog

Amazon MP3 Clips