sexta-feira, 17 de novembro de 2017

LIVRES DE BRAÇOS ABERTOS, DA TERRA ALVORADA, LIVREEEE !

ALERJ REVOGA PRISÃO DE DEPUTADOS, PROÍBE ENTRADA DE OFICIAL DE JUSTIÇA E POLÍCIA METE O SARRAFO PRA CIMA DE MANIFESTANTES.

Viu-se de tudo nessa tarde no Rio de Janeiro, oficial de justiça empurrado e agredido por policiais, Deputado recebendo voz de prisão de soldados e muito gás de pimenta, foi nesse clima que deputados revogaram as prisões determinadas pela justiça. Até onde vamos chegar?
Com um festival de pancadarias, chuva de bombas e muita brutalidade, essa foi a recepção que os manifestantes receberam da polícia na fatídica votação que libertou os deputados Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi, todos acusados de corrupção e recebimentos de propinas.
O efeito Aécio Neves foi visto hoje na Alerj, após o senado federal ter dado o mal exemplo, todas as outras esferas se sentem no direito de desrespeitar a lei e manter impune os verdadeiros criminosos, pior que isso sobre a batuta do STF. Que Brasil é esse mesmo?

JÁ ESTÃO SOLTOS EM CASA COM O AVAL DA IMPUNIDADE PARA CONTINUAR COMETENDO CRIMES; ESTE INFELIZMENTE É O PAÍS DO GOLPISMO E DO TEMEROSO!

De acordo com a Alerj, o secretário da Mesa Diretora foi entregar a decisão dos deputados na cadeia pública José Frederico Marques, em Benfica, para a soltura dos deputados. Os peemedebistas foram soltos pouco depois da decisão da Alerj.
A deputada federal Jandira Feghali postou em seu Facebook o total desacato da PM do RJ que impediu a entrada de uma oficial de justiça, mais cedo manifestantes haviam conseguido liminar que  permitia assistir a votação que levaria a liberdade dos deputados presos. Porém a policia militar ao invés de acatar a ordem da justiça, a descumpriu e ainda agrediu a empurrões a oficial de justiça que saiu do local sem cumprir a ordem judicial. 
O comandante da PM-RJ simplesmente correu para dentro da Alerj para não cumprir o mandato judicial, como foi relatado por muitos. Mediante a presença de um deputado, que tentava entrar na Alerj para a votação e tentava fazer cumprir a ordem judicial, um soldado um pouco mais exaltado lhe proferiu a ordem de prisão, fato que não se concretizou. Ao soldado foi informado que o mesmo era deputado e que o soldado não poderia dar voz de prisão ou estaria desacatando uma autoridade maior que a dele. 
Na verdade os acontecimentos no Rio nada mais são que destroços causados  pelo descumprimento de medidas cautelares  impostas pela segunda turma do STF contra o senador Aécio Neves do PSDB. E mais grave ainda, foram as manobras descaradas feitas pelo presidente golpista Temer; quando conseguiu transformar a câmara em um verdadeiro mercado publico, onde as mercadorias eram cargos e emendas, e a moeda de troca era "um salve" a pele de Temer a qualquer preço.


Texto da manchete: tirada da letra livre de Agnaldo Timóteo. 
Por: Pedro Oliveira 
Finalização: Gabriel Hammer
LEIA TAMBÉM:

PF deflagra operação que apura desvios na gestão de Roseana Sarney


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog